Quais as cidades mais se destacam na indústria moveleira

12/01/2022 | Notícias

Com o crescimento constante da indústria de móveis, mesmo em momentos de crise, podemos considerar que existem cidades que se destacam dentro desse mercado, como Bento Gonçalves no Rio Grande do Sul. Por estar em ascensão, esses municípios acabam pertencendo também aos pólos moveleiros, tanto em relação à produção, quanto à fabricação. Tendo conhecimento disso, as cidades que mais se destacam na indústria moveleira são: Principais Cidades na Produção e Fabricação de Móveis

Cidade   Região Sul
Bento Gonçalves  
Caxias do Sul  Rio Grande do Sul (RS)
Restinga Seca  
Santa Maria  
Erechim  
Lagoa Vermelha  
Passo Fundo  
Canela  
Gramado  

 

Cidade   Região Sul
Curitiba  
Arapongas  Paraná (PR)
Londrina  
Cascavel  
Francisco Beltrão  

 

Cidade   Região Sul
Rio Nrinho  
São Bento do Sul  Santa Catarina  (SC)
Chapecó  
Coronel Freitas  
Pinhalzinho  
São Lourenço do Oeste  
Otacílio Costa  

 

Cidade   Região Sudeste
Colatina  
Linhares  Espírito Santo (ES)
Vitória  
Coronel Freitas  

 

Cidade   Região Sudeste
Ubá  
Bom Despacho  Minas Gerais (MG)
Martinho Campos  
Uberaba  
Uberlândia  
Carmo do Cajuru  

 

Cidade   Região Sudeste
Votuporanga  
Bálsamo  São Paulo  (SP)
Jaci  
Mirassol  
Neves Paulista  
Itatiba  
São Bernardo do Campo  
Atibaia  

   

Cidade   Região Nordeste
Arapiraca  Bahia (BA)
Salvador

 

Cidade   Região Nordeste
Recife  Pernambuco (PE)

 

Cidade   Região Nordeste
Fortaleza  Ceará (CE)

 

Cidade   Região Nordeste
Imperatriz  Maranhão (MA)

 

Cidade   Região Norte
Manaus  Amazonas (MA)

Indústria moveleira e a escassez de insumos 

Se tratando da indústria moveleira, o Brasil é um dos países que mais movimenta capital nesse setor, comportando dezenove mil empresas do ramo e sendo responsável por gerar  1,9% da receita líquida. Apesar disso, devido a crise econômica mundial sofrida pela pandemia da covid-19, o setor passou a sofrer com a escassez de insumos, impedindo a produção e comercialização de produtos. De junho a agosto de 2020, que foram os períodos de maior pico da crise, e com o aumento da procura de móveis, as produções não conseguiram dar conta das demandas, implicando no faturamento das empresas e no declínio da indústria. Apesar de já haver uma melhora, dentro e fora do mercado de móveis, ainda é visível a crise de matéria-prima, que se trata de uma questão sistêmica e estrutural. Ainda não há como dizer quando as coisas irão se normalizar. O melhor a se fazer é manter a clareza com o seu consumidor e procurar fazer um controle de estoque com precisão, para evitar de cancelar encomendas ou a pausa de fabricação de algum produto específico.

Quais foram os resultados da indústria moveleira em 2021?

Sem dúvida nenhuma a falta de matéria-prima da indústria moveleira é algo desanimador para os empreendedores do ramo. Apesar disso, se tratando de qualquer tipo de negócio, é importante ter conhecimento sobre a realidade do mercado. Com isso em mente é interessante fazer um apanhado de como foi 2021. De acordo com dados da Inteligência de Mercado para a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário, a ABIMÓVEL, o setor moveleiro fechou o primeiro semestre do ano com o crescimento de mais de 30%. O resultado foi comparado com o mesmo período de 2020, além disso, a pesquisa aponta que em junho a receita faturada alcançou R$ 6,6 bilhões, tendo um impacto direto do home office. É necessário considerar também o tempo que as pessoas passaram dentro de casa, dando margem para a necessidade de novas mobílias e reforma de cômodos, tanto para trabalho e estudo, quanto para o lazer.

Siga a Fimma

fimma.com.br linkedin instagram facebook.com youtube.com telegram

Veja também